Enchente de cerveja

A enchente de cerveja: Conheça essa história de mais de 200 anos

No ano de 1814, na cidade de Londres, um imenso barril de cerveja explodiu, causando um efeito cascata em outros barris, o que levou a uma enchente de cerveja, um verdadeiro tsunami, causando embriaguez coletiva e matando, ao menos, oito pessoas.

Esse fato transcorreu no dia 17 de outubro de 1814, em uma parte da cidade de Londres conhecida pelo alto consumo de álcool e também por ser uma região muito pobre na cidade.

A cervejaria que causou esse incidente se chamava Meux & Co Horse Shoe Brewery. Ela era conhecida por produzir uma cerveja escura, do tipo porter. Era uma cervejaria bem conhecida da época.

Fábrica de cerveja Meux & Co Horse Shoe Brewery
Horseshoe Brewery, Londres (Crédito: Wikimedia Commons)

Assim como muita cerveja da época, essa cerveja era fermentada em imensos barris de madeira. A tina de fermentação que se rompeu tinha mais de 6 m de altura e cerca de um milhão de litros de cerveja.

O problema foi relatado com antecedência

No dia do acidente, um funcionário notou algo incomum. Um dos aros de metal que ficava ao redor desse barril estava quebrado. Ele comunicou ao seu superior, mas o mesmo lhe disse que não havia risco nenhum por conta disso.  Só que, ao contrário do que imaginava esse supervisor, o desastre aconteceu: por volta da16h30, o barril explodiu.

A explosão causou um efeito dominó, atingindo outros barris próximos. E por estarem suspensos, uma imensa onda de cerveja tomou conta de todo o lugar.

O volume de cerveja derramado foi tão grande, que destruiu a parede da cervejaria. Tijolos foram lançados em cima de duas casas próximas. A enchente de cerveja produziu ondas de mais de 4 metros de altura.

Veja também:


Como o acidente aconteceu na parte da tarde, boa parte dos moradores da região estava trabalhando. Por isso, a maior parte da vítimas acabou sendo donas de casa e então crianças.

Barris armazenados
Barris Estocados (Crédito: Rémi Boussico/Pixabay)

Duas casas foram totalmente destruídas e muitas outras foram alagadas. De acordo com relatos, as pessoas tiveram que subir nos móveis para não morrem afogadas ou serem arrastadas pela cerveja.

Outras vítimas da enchente de cerveja

Um pub situado nessa região também foi atingido. Com efeito disso, uma funcionária morreu presa aos escombros da parede rompida da cervejaria.

Em outra casa, acontecia o velório de uma criança Irlandesa. A onda de cerveja passou por ali e acabou vitimando mais cinco pessoas, inclusive a mãe da criança que estava sendo velada. O rastro de destruição continuou. Logo depois, em outra casa, uma criança que tomava chá com sua mãe também morreu.

Todos os funcionário da cervejaria conseguiram ser resgatados com vida, mas muitos com ferimentos.

Logo após a passagem dessa enchente de cerveja, o cenário era desolador. O cheiro de cerveja ficou impregnado no lugar por vários meses. Há quem diga que o resgate demorou mais do que deveria devido a quantidade de gente na rua, já que tentavam pegar cerveja com balde.

Outros relatos não confirmados dão conta que houve mortes por intoxicação. Por certo, por beberam a cerveja da inundação.  

Foi aberta uma investigação para apurar o caso e seus responsáveis. Nesse sentido, os donos da cervejeira foram julgados. Entretanto, foram considerados inocentes. Chegou-se à conclusão que a explosão do barril foi um acidente. Aliás, alguns relatos de documentos da época citam até que esse foi um ato de divino.

Hoje, a cervejaria já não existe mais. Ela foi demolida em 1922. No seu lugar, foi construído o teatro Dominum Theater.

Por fim, com a evolução da tecnologia de fabricação da cerveja, barris de madeiras como esse que provocou o acidente não são mais utilizados.

Gostou dessa história? Então, compartilhe com seus amigos. Eles também irão gostar:

Rolar para cima